HRE e as novidades da equipe para a temporada 2017 da Camping World Truck Series.

A temporada de 2017 da Truck Series será de muito trabalho e competição para a Hattori Racing Enterprises.

Além da mudança de número (do #81 para o #16), a equipe disputará a temporada completa de 2017 com Ryan Truex, irmão de Martin Truex Jr., pilotando para a equipe.

Em Dezembro passado, o time se mudou para uma nova oficina que anteriormente foi as instalações da equipe do campeão da Monster Energy NASCAR Cup Series de 1989, Rusty Wallace. A organização atuou na XFinity Series até 2012.

truck-zatta-2017

As atividades começaram na última sexta-feira ( 24) com a abertura da temporada em Daytona.

Um big one na largada acabou com as chances de Truex repetir 0 2º lugar em Daytona, ou ainda alcançar a vitória. Mas no próximo fim-de-semana, a HRE estará em Atlanta para superar os acontecidos de Daytona.

 

 

Anúncios

Guia de sobrevivência para o off-season

Olá amigos do NS Full Throttle!

Como está sendo essa off-season? Tá osso? Seca de corridas? Ansiosos para a Daytona 500 em 2017? Seus problemas acabaram!

Montei esse guia de sobrevivência para amenizar a falta dos roncos de motores neste fim-de-ano.

No canal oficial da NASCAR no Youtube é possível achar todas as corridas da XFinity e Monster Energy Cup Series (sim, eu quase digitei Sprint Cup. Bora praticar pra acostumar).

Já para ver a Truck Series, K&N e outras categorias se tiver curiosidade, recomendamos o Burn1ng Wheels:

http://burningwhee1s.blogspot.com.br/

Quer voltar no tempo e ver Dale Earnhardt, Rusty Wallace, Mark Martin e CIA LTDA. em ação? O The NASCAR Archive te ajuda a voltar no tempo!

http://thenascararchive.blogspot.com.br/

Afim de umas curiosidades? Dentre vários excelentes Uploaders que existem no Youtube dedicados à NASCAR, recomendamos o NASCARNixon. Ele faz uma série de videos com curiosidades diversas tanto sobre NASCAR como a Indy.

https://www.youtube.com/channel/UC4o6U1Cr1c53UX2AU2ZjTfw

Enfim, existe como não ficar na seca de velocidade.

 

Forte Abraço e até a próxima!

Jimmie Johnson: A 400 Milhas de um Marco Histórico

Antes de apedrejar este que vos escreve, eu digo: Sei que ainda tem a etapa de Phoenix (500 milhas) e que Kevin Harvick é um fator a se considerar mas, o que são essas 500 milhas para quem pode igualar a marca do Rei Richard Petty e do Intimidador Dale Earnhardt de 7 títulos da Sprint Cup? Nada.

O piloto de El Cajon, California está a apenas um resultado melhor que Carl Edwards e os outros dois finalistas que serão definidos em Phoenix para entrar em um grupo restrito de pilotos heptacampeões da categoria.

Após iniciar carreira nas motos quando tinha 4 anos, em 1998, Johnson começou a correr part-time na America Speed Association (ASA) onde se tornaria o rookie do ano e na XFinity Series. três anos mais tarde, assinaria contrato com a Herzog Motorsports.

jimmiejohnson-2000

Jimmie Johnson posando ao lado do carro da Herzog Motorsports onde correu em 2000 na XFinity Series.

E nessa temporada, aconteceu o lance mais hilário (mas assustador ao mesmo tempo) da carreira de JJ:

Depois de ver um acidente como esse, vc acreditaria que esse piloto seria campeão na Sprint Cup? E 6 vezes ainda com grandes chances de um sétimo título? Jimmie Johnson é um exemplo de que não devemos subestimar ninguém.

Apesar deste lance, Johnson obteve 6 top-10 e foi o 10º colocado na tabela de classificação da temporada

Na temporada seguinte, venceu em Chicagoland, fez sua estréia na Hendrick com o inconfundível #48.

Em 2002, JJ fez sua primeira temporada completa pela Hendrick.

jj2002

E já começou o ano fazendo a pole da Daytona 500. Sua primeira vitória foi no Auto Club Speedway (Fontana)

De 2006 a 2010, só deu ele. Cinco títulos consecutivos que moldaram o seu nome entre os melhores pilotos da Sprint Cup.  Johnson chegou como candidato ao título em 2012, mas problemas mecânicos o prejudicaram e isso ajudou Brad Keselowski a se tornar campeão.O sexto título viria somente em 2013,t odos eles tendo Chad Knaus como crew chief. A química dos dois é impressionante, o que aumenta ainda mais as chances de JJ conquistar o sétimo título.

chad-knaus

Chad trabalha com JJ desde os primórdios da equipe 48. Anteriormente, ele trabalhou na equipe de Dale Sr (crew chief do Steve Park em 1998). Depois trabalhou com Ray Everham na Dodge e finalmente com a Hendrick.

Desde a implantação do sistema de eliminações do Chase, em 2014 JJ chegou até o Contender Round (Round of 12) mas resultados ruins e um acidente em Talladega eliminaram Jimmie Johnson do Chase.

Em 2015, foi eliminado ainda na primeira fase quando seu carro quebrou em Dover.

Mesmo não sendo um dos melhores anos de Jimmie Johnson, o Chase prioriza vitórias e ele venceu em Martinsville (Round of 8) após uma verdadeira batalha com Denny Hamlin e foi o primeiro a carimbar a passagem pra Homestead.

JJMsville.jpg

Ao meu ver, Johnson será extremamente cerebral em Homestead. Se o carro estiver bom como ele gosta, guiará apenas para se manter a frente dos demais finalistas. E será um belo motivo pra não desgrudar do sofá.

Agradecimento ao Ricardo Figueroa e ao Luca Fernandes pelo help com a foto com o elmo (sim, elmo pq agora é guerra!!) do JJ com esta pintura divina.

 

 

 

Kurt, Kyle e o lado negro da Força

Qual a primeira coisa que vêm a nossa mente quando falamos dos irmãos Busch? São dois campeões da Sprint Cup, um é o irmão mais novo do outro e… tretas!

 

Essas, meus caros, estiveram presentes por boa parte da carreira de ambos.

Problemas com a imprensa, com pilotos e até mesmo com a lei constituem as duas carreiras.

kurt-indy-2001Kurt Busch mostrando sua insatisfação a Jimmy Spencer em Indianápolis 2001.

Buschão já aprontou de tudo um pouco. Reserve um (bom) tempo, prepare uma pipoca e divirta-se com Kurt Busch: Rageaholic

 

Outro documentário que ilustra bem o fatídico ano de 2011, é o Kurt Busch: The Outlaw

 

 

Já o irmão mais novo, “Rowdy” (referencia ao piloto vilão Rowdy Burns de Dias de Trovão, e também por ter corrido na equipe de Billy Ballew com a Truck #51 de mesma pintura do carro do filme para homenagear Bobby Hamilton, piloto dublê do filme que enfrentava um cancer) envolveu-se em polêmicas ainda maiores que Buschão.

51flanders_chevy

E foi na Truck Series onde Kyle se envolveu na maior polêmica de sua carreira. Kyle, já consagrado na Sprint Cup e com equipe própria na Truck Series, disputava a liderança da etapa do Texas com o então postulante ao título Ron Hornaday Jr.

Após Hornaday defender muito bem a 1ª posição, Kyle simplesmente o bateu, jogando as duas trucks no muro externo durante uma bandeira amarela

 

NASCAR Trucks Honaday Busch Auto Racing

Kyle foi suspenso de todas as atividades das demais categorias naquele fim-de-semana.

 

Vale a pipoca, um refrigerante e bom filme!

 

E como não pode deixar de ser para ninguém, após a tempestade, vem os belos dias de sol. Kurt atua na equipe de Tony Stewart e Gene Haas (SHR) com o Chevrolet 41.

 

kurt2016

E Kyle Busch ergueu a taça de campeão em 2015, em um ano de superação, a chegada do filho, Brexton e 5 vitórias, incluindo a final em Homestead.

kyle-busch-homestead

Isso é tudo, pessoal!

 

Quer ouvir o nosso bate-papo sobre os Busch Brothers? Aqui está:

https://formulafull.wordpress.com/

Denny Hamlin vence etapa emocionante em Watkins Glen

A 22ª etapa da Sprint Cup Series que aconteceu no circuito misto de Watkins Glen, no estado de New York foi marcada de momentos emocionantes de inicio ao fim da prova.
Mesmo com Carl Edwards largando na pole position e mantendo a ponta após contornar a desafiadora curva 1 do circuito, quem roubou a cena nas primeiras voltas foi AJ Almendinger.

O piloto da JTG-Daugherty Racing e experiente com protótipos e Indycar foi o piloto que mais avançou no pelotão, ganhando 5 posições nas quatro voltas iniciais da prova.
E também na volta 4, os toques mais intensos começaram a acontecer. Jeff Gordon, substituindo Dale Jr. no #88, acabou tocando o #3 de Austin Dillon na entrada da Bus Stop e Dillon rodou indo para dentro da área de escape. Evitando contato com Casey Mears, Dillon freou demais e, por isso foi atingido por Gordon.
Kyle Larson, também não teve o início de prova ideal. Caiu de 2º para 5º em apenas 10 voltas de corrida.

dt.common.streams.StreamServer

A primeira bandeira amarela veio na volta 11 por conta de um detrito na pista. Os 11 melhores colocados naquele momento optaram por seguir na pista, enquanto um pelotão liderado por Kevin Harvick levou os carros para o serviço de troca de pneus, reabastecimento e alguns ajustes.

Na relargada na volta 15, Carl Edwards reagiu muito bem e chegou a desafiadora curva 1 com segurança. Diferente de Matt Kenseth que veio com AJ Allmendinger tomando a linha de dentro na tentativa de assumir a P2. A briga durou até a segunda curva dos esses onde ambos trocaram tinta e Kenseth tomou a frente fimando a dobradinha da Joe Gibbs Racing na liderança.
Kyle Busch assumira a P2, passando AJ Allmendinger na Bus Stop. Kenseth perdeu rendimento aparecendo na 4ª posição.

Apostando em uma estratégia diferente, Brad Keselowski seguido de Jimmie Johnson pararam na volta 21. Mas eis que a má fase de JJ continua: Não uma, mas duas violações (um pneu descontrolado e excesso de velocidade na saída dos pits). Mais tarde na corrida, Ricky Stenhouse Jr. salta na zebra da saída do carrossel perdendo a traseira, rodando e sendo acertado por Jimmie Johnson. Neste acidente Greg Biffle e Austin Dillon também se envolveram e foi acionada a 1ª bandeira vermelha da corrida.

Com 20 voltas para o fim, AJ Allmendinger em mais uma demonstração de habilidade, entra na curva 7 literalmente embutido em Casey Mears para efetuar a ultrapassagem na reta-de-chega. Kyle Larson tentou aproveitar o momento para atacar AJ, mas em uma incrível manobra bloqueou o #42 e ainda, passou por Mears na curva 1.
Faltando 14 para o fim, o motor de Bem Kennedy estourou na reta-de-chegada e trouxe a bandeira amarela. Ocasião oportuna para quem precisava salvar algum combustível para o fim.

97b444a324bf7ead9e5ea85038790c61

Restando apenas 10 voltas para o final, a bandeira verde foi agitada pela direção de prova para a relargada. Trevor Bayne mandou um 3-wide na reta para decidir na curva 1. Kyle Busch, P2 naquele momento, tentou por fora pra cima de Keselowski. Ambos adiaram a freada até o último instante possível. Rowdy acabou levando a pior mas não foi uma maravilha para Brad Keselowski. Os dois usaram a área de escape para voltar a pista. Com isso, Hamlin assumiu a ponta e Keselowski caiu apenas uma posição. Para sorte de Brad, o alinhamento dos carros foi decidido pelo posicionamento deles no instante em que a amarela foi acionada. A acionamento foi causado pela rodada de Matt Dibenedetto e Ryan Newman.

Nova relargada faltando 7 pro fim. Os pilotos se comportaram na passagem pela curva 1. Keselowski não relargou bem, ele e Rowdy acabaram indo na área de escape e perdeu posições para Logano, Truex Jr e Larson. Na saída da Bus Stop, Paul Menard passou na terra e levantou poeira para quem vinha atrás. Brian Scott tocou em Harvick que rodou ficando em sentido contra-mão. David Ragan acertou o #4 em cheio. Chris Buescher, que naquele momento estava a 5 pontos do Chase, tinha que chegar 5 posições a frente de Ragan.
Após mais uma parada para limpeza, a corrida recomeçou com Hamlin liderando e Truex jr era 2º, seguido de perto por Keselowski.

Volta final em Watkins Glen: Os três primeiros estavam colados um-no-outro nos momentos decisivos até a curva 7. Truex Jr. deu uma escapada saindo da 6, o que permitiu a aproximação de Brad Keselowski que acabou tocando na traseira de Truex fazendo-o rodar na curva 7. Larson, que acabou levantando o pé achando que Truex subiria e houvesse um acidente de proporções maiores e Allmendinger acabou tocando no #42 que rodou pra dentro dos boxes.

Na volta de desaceleração, Truex Jr. mostrou seu desgosto e deu uns chega pra lá em Keselowski. Ao descerem dos carros, Keselowski veio pedir desculpas pelo acontecido. O mesmo ocorreu com Allmendinger em relação à Larson.

cropped-fullsizerender-1.jpg